residencial2.png

Fornecimento contínuo e vantagens operacionais também estão entre os atributos do combustível fornecido pela Compagas

 

(Curitiba, agosto/setembro de 2016) Em busca de mais qualidade e competitividade no mercado as indústrias cerâmicas paranaenses optam pelo gás natural. Além de vantagens técnicas e operacionais que interferem diretamente no acabamento do produto final destas empresas, o uso do combustível fornecido pela Companhia Paranaense de Gás (Compagas) permite ainda maior economia.

 

Assim que chegou à Porcelarte, indústria de porcelanas localizada em Campo Largo (PR), há pouco mais de um ano, a primeira sugestão do técnico em porcelana e consultor de empresas, Osvaldo Júlio Falaz, foi trocar a energia elétrica utilizada na fábrica para o gás natural. “Sem a mudança para o gás natural, é provável que a fábrica tivesse parado de produzir, já que o uso da energia elétrica é muito cara. Além de competitividade, ganhamos em qualidade visual, devido à queima limpa e uniforme que o gás natural proporciona”, revela o consultor, destacando que com o gás natural a produção da indústria dobrou e os custos com a manutenção dos equipamentos caíram.

Assim como na Porcelarte, a qualidade visual das peças é um dos principais motivos para o uso do gás natural na Porcelanas Bordignon, indústria também localizada em Campo Largo (PR). A diretora comercial da empresa, Márcia Bordignon, aponta, ainda, o fornecimento contínuo e a dispensa de cilindros para estocagem de combustível como outras vantagens da utilização do gás natural na indústria. “Antes da chegada do gás natural canalizado a Campo Largo, a Bordignon utilizava o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) e era necessário destinar um local específico para armazenar os cilindros, com o gás natural isso não é mais preciso”.

O gerente do segmento industrial da Compagas, Mauro Melara, explica por que o gás natural é um insumo tão importante para os empresários do setor de cerâmica e porcelana e atribui características únicas às peças. “Usado no processo de queima em substituição aos antigos fornos movidos à lenha, óleo combustível ou até mesmo energia elétrica, o gás natural oferece uma queima limpa, não deixa resíduos nas louças. Por isso, as peças ficam melhor acabadas. O gás natural também apresenta mais segurança no processo de queima e menor custo, além de emitir menos poluentes”.

A Compagas atende atualmente oito clientes industriais do setor cerâmico instalados em Campo Largo e São Mateus do Sul que, juntos, consomem cerca de 90 mil m³/dia do gás natural para a fabricação de seus produtos. Este volume representa pouco mais de 9% do total comercializado ao segmento industrial pela Compagas.

 

Compagas patrocina Feira da Louça

Para estreitar o relacionamento com o setor ceramista de Campo Largo, a Compagas patrocina a 26ª Edição da Feira da Louça, que acontece de 2 a 11 de setembro. Organizada pelo Sindilouça-PR, a mostra tem o objetivo de apresentar ao público a produção do maior polo cerâmico paranaense e é um dos principais eventos do gênero, inserida na agenda de eventos e turismo nacional.

O polo-cerâmico de Campo Largo é destaque por sediar as maiores empresas de porcelana da América Latina. Líder de produção, seus produtos são exportados para a Europa, EUA, Austrália, entre outros países. Vale ressaltar que 90% da porcelana, 50% da cerâmica eletroeletrônica e 30% da cerâmica branca consumidas no território brasileiro são produzidos em Campo Largo.