sobre_cpg_1.png

Notícias

Abastecer com GNV custa 51% a menos e garante desconto no IPVA

 

(Curitiba, maio de 2015) Nas últimas semanas, o valor do litro da gasolina subiu, em média, R$ 0,40 em Curitiba. Alguns postos chegam a cobrar R$ 3,39 o litro da gasolina comum, contra R$ 2,99 na semana interior. Segundo Sindicombustíveis-PR, que representa o setor no estado, a variação de preços é considerada estável, uma situação “natural de mercado”, informou o órgão, por meio da assessoria de imprensa.  Em fevereiro, o aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis já havia impactado em 12% no preço médio do litro da gasolina em Curitiba, que subiu R$ 0,35. Já o etanol, apesar de não ter sofrido com a mudança tributária, também ficou em média R$ 0,22 mais caro na ocasião, de acordo com dados da pesquisa semanal de preços da Agência Nacional do Petróleo - ANP.

Com o novo reajuste, o gás natural veicular (GNV) se consolida como uma opção ainda mais vantajosa para os motoristas, já que o preço do etanol também tem aumentado. De acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço do m³ de GNV varia entre R$ 2,28 e R$ 2,30. Com o rendimento previsto (13 quilômetros por metro cúbico de gás natural e 10 quilômetros por litro de gasolina), para rodar cem quilômetros com o GNV o motorista gasta cerca de R$ 17,53, enquanto que para a gasolina o custo é de aproximadamente R$ 33,9. A economia é de mais de 50%.

No total, mais 62 apartamentos migrarão para o uso do gás natural; entre as vantagens estão a segurança e o fornecimento contínuo

 

Na última semana, edifícios dos bairros Batel e Água Verde, em Curitiba, fecharam contrato para uso do gás natural. No total, serão mais 62 apartamentos com o combustível canalizado.

No Batel, os condomínios Casablanca e Residencial Carlos de Carvalho utilizarão o gás natural nos fogões e aquecedores e os dois empreendimentos contarão com a medição coletiva. No bairro Água Verde, o edifício Comendador Gilberto Bonvin fará uso do gás natural, além dos fogões e aquecedores, nas churrasqueiras dos apartamentos. Neste condomínio, a medição de consumo será individual.

La Violetera, instalada em Curitiba, e a fábrica da Rede Madero, em Ponta Grossa, são os novos consumidores de gás natural

 

A Compagas ligou mais duas indústrias do Paraná à sua rede de distribuição de gás natural. A La Violetera, instalada na Cidade Industrial de Curitiba, fará uso do gás natural para uso térmico em seu processo produtivo. Entre os produtos que saem diariamente da fábrica, também instalada na CIC, estão azeites, azeitonas, conservas, condimentos, frutas em calda, frutas secas e snacks.

Já a fábrica da Rede Madero Burger & Grill, instalada em Ponta Grossa, utilizará o combustível canalizado na sua unidade industrial para fins de cocção e aquecimento. A unidade dos Campos Gerais produz embutidos, cortes especiais de carnes e hambúrgueres para atender os restaurantes da rede no Paraná, São Paulo, Santa Catarina e Goiás, além das futuras unidades.

Condomínios residenciais estão localizados em bairros da capital paranaense

 

Na última semana, mais três edifícios de Curitiba fecharam contrato com a Compagas para uso do gás natural. O condomínio Spring Hills, localizado no Água Verde, conta com 20 apartamentos e o combustível será utilizado nos fogões e aquecedores. No bairro Bigorrilho, o edifício Rio Tocantins também fará uso do gás natural para cocção e aquecimento em suas 36 unidades domiciliares. Os dois empreendimentos terão medição individual. No Centro da capital paranaense, 48 apartamentos do edifício Josephina Pinton farão uso do gás nos fogões e a medição será coletiva. Os contratos foram fechados pela Gerência de Vendas Urbano da Compagas.

Com um investimento superior a R$ 23 milhões, o projeto Nordeste Região Metropolitana de Curitiba entra em operação no mês de maio

 

(Curitiba, maio de 2015) A empresa Metalkraft, instalada em Quatro Barras, é o primeiro cliente da Compagas a ser atendido com a rede de distribuição construída no projeto Nordeste Região Metropolitana de Curitiba. Ligando os municípios de Colombo, Quatro Barras, Pinhais e Campina Grande do Sul, o projeto tem conclusão prevista para dezembro de 2015, mas a operação de parte dos 30 km de rede que já estão concluídos foi iniciada no dia 2 de maio. O investimento da Compagas no projeto, superior a R$ 23 milhões, irá permitir, até o fim das obras, a execução de uma linha tronco e de ramais de distribuição de gás natural nas quatro cidades que somam 35 km.

Compartilhar