sobre_gn_1.png

Notícias

Cinco projetos das áreas da saúde, esporte e cultura foram selecionados pela Companhia

Como forma de contribuir para a melhoria e o desenvolvimento das comunidades em que atua, a COMPAGAS (Companhia Paranaense de Gás) selecionou cinco projetos para o recebimento de patrocínio incentivado em 2020 para aplicação neste ano. A destinação total foi de cerca de R$ 340 mil e beneficiará projetos voltados às áreas da saúde, esporte e cultura. "Ao apoiar ações ligadas à promoção do esporte e de amparo à saúde e de inclusão, nos envolvemos ainda mais com a nossa comunidade, entendendo seus desejos e suas necessidades reais, e reforçamos nossa vocação de ser uma empresa feita por pessoas e para as pessoas", afirmou Rafael Lamastra Jr., diretor-presidente da COMPAGAS.

Novo edital está previsto para o primeiro trimestre de 2021 e volume total ultrapassa a marca de 6 milhões de m³/dia

Uma nova Chamada Pública Coordenada das Distribuidoras de Gás Canalizado do Sul, Sudeste e Centro-Oeste está prestes a ser lançada. Com um volume total de aquisição projetado em mais de 6 milhões de m³/dia, para o médio prazo, a iniciativa tem o compromisso de contribuir com a abertura do mercado de gás natural no país, através da diversificação de fontes e agentes supridores, buscando oferecer maior competitividade aos mercados atendidos mediante o impulso da concorrência na oferta de gás natural. Participam deste processo a MSGÁS (Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul), a GasBrasiliano (Gas Brasiliano Distribuidora), a COMPAGAS (Companhia Paranaense de Gás), a SCGÁS (Companhia de Gás de Santa Catarina), e a SULGÁS (Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul).

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar) realiza, no próximo dia 16 de dezembro de 2020, das 9h às 11h, a Audiência Pública de apreciação, críticas e sugestões para Minuta do Regulamento de Implantação do Sistema de Conta Gráfica do Custo do Gás e seu impacto na tarifa de distribuição, praticado pela Companhia Paranaense de Gás (Compagas).

Diretor-presidente da Compagas, Rafael Lamastra Jr., participou de fórum sobre oportunidades para cogeração durante evento digital Energy Solutions Show 2020

Nesta terça-feira (27), o diretor-presidente da Companhia Paranaense de Gás (Compagas), Rafael Lamastra Jr., debateu o tema do mercado livre de gás natural e oportunidades para a cogeração no Brasil durante fórum promovido pelo Energy Solutions Show 2020, evento digital do setor de Energia no país. Cogeração, basicamente, é a produção simultânea de duas formas de energia (térmica e elétrica) a partir de uma única fonte combustível. Dentro do contexto de Geração Distribuída (GD), a cogeração se destaca como alternativa para a produção descentralizada de energia elétrica, justamente por possibilitar a redução de custos, o menor impacto ambiental, ganhos de eficiência, confiabilidade, dentre outros benefícios. E o gás natural se apresenta como uma das fontes mais vantajosas, em função da alta confiabilidade e eficiência energética no sistema de cogeração – que pode chegar a 90%, ou seja, garante o uso racional e eficiente dos recursos.

 

 

Gás Natural: vem aí um novo protagonista para frotas públicas e veículos pesados

Rafael Lamastra ¹

 

A decisão recente da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e do Ministério de Minas e Energia (MME) de reduzir, de forma extraordinária e temporária, o percentual de mistura obrigatória do biodiesel ao óleo diesel de 12% para 10% – devido a riscos de desabastecimento nacional - traz à tona, novamente, a discussão sobre a importância de diversificar as matrizes energéticas para atender a demanda de veículos pesados, caminhões e frota de transporte público nos centros urbanos.

Inevitavelmente nos deparamos com as planilhas de custos da importação de diesel, um combustível fóssil que, a cada ano, se torna mais oneroso para a balança comercial brasileira. Para suprir a demanda interna, o país importa o combustível, principalmente, dos EUA. Dados dos últimos doze meses até maio de 2020, como apontados na plataforma ComexStat, do Ministério da Economia, demonstram que o Brasil importou US$ 6,23 bilhões em óleo diesel, ou 11,48 milhões de toneladas.

Os números que refletem a queda da oferta e o aumento do preço do biodiesel reforçam a necessidade da diversificação e da transição energética no setor de transportes. Neste contexto, o gás natural entra como o protagonista de uma mudança da matriz energética responsável pelo abastecimento de veículos pesados, como caminhões e frotas de transporte coletivo. Esse caminho traria ganhos ambientais, visto que o energético é uma alternativa de baixíssimo impacto ambiental – mesmo sendo de origem fóssil, suas emissões são extremamente baixas o que favorece também as políticas de mudanças climáticas.

Essa tendência pode ser observada em outras economias mundiais como nos Estados Unidos – Los Angeles conta com 2.500 ônibus abastecidos a gás natural -, na Espanha – a capital Madri utiliza 2 mil ônibus equipados com propulsores a gás (o que equivale a 80% da frota) para transportar mais 425 milhões de passageiros por ano -, e na América do Sul, a Colômbia se destaca pelo sistema de ônibus movidos a gás. Estas são realidades que já se mostram presentes no Brasil, embora ainda em fase de testes.

Em 2019, a Scania lançou uma família de veículos movidos a Gás Natural e disponibilizou uma unidade para a Prefeitura de Curitiba para demonstrações e testes. O projeto conta com o apoio da Compagas, que possui uma rede de distribuição de gás natural instalada capaz de atender mais de 80% das empresas que operam o transporte público na capital paranaense e na região metropolitana, o que coloca a cidade em um conceito alinhado às principais metrópoles do mundo, como Nova York que, desde 2010, possui mais de 500 veículos em sua frota deste tipo.

Um estudo do Departamento de Energia Americano ratifica estas afirmações. O gás natural também é uma das matrizes energéticas com maior potencial de crescimento em países fora da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), como é o caso do Brasil. De acordo com esse estudo, o setor de transporte é responsável por quase 60% do consumo total de combustíveis líquidos e a tendência é que aumente o uso de combustíveis alternativos. Neste cenário, o gás natural e a energia elétrica são as formas que mais devem crescer – podendo quadruplicar o consumo até 2050. 

A viabilização do gás natural como alternativa passa, também, pelo fato que o biodiesel não dará conta da frota brasileira sozinho. De acordo com dados de consumo da frota de São Paulo (SPTrans), se fosse adotado o Biodiesel 100%, a produção deste combustível de toda a região Sudeste não seria suficiente para abastecer exclusivamente a frota de ônibus da cidade de São Paulo (SP); seria necessária toda a produção da região – e mais 30% desse volume – para atender somente à demanda da capital paulista.

Cenário completamente inverso à abundância do gás natural. Apenas 10% do volume que é reinjetado no Brasil, diariamente, seria suficiente para abastecer 100% da frota de ônibus equivalente a 12 vezes o tamanho do transporte público da Região Metropolitana de Curitiba, conforme dados apresentados pelo consultor em gás e energia, Ricardo Vallejo.

Neste contexto, o gás natural, é a uma excelente opção. As cidades precisam de combustíveis mais limpos, com baixa emissão de gases causadores de efeito estufa, ao mesmo tempo em que garantam viabilidade econômica e continuidade no fornecimento e possam ser adotados em grande escala. Enxergo aqui uma imensa oportunidade para incentivar o seu consumo em veículos pesados e no transporte público.

 

¹ Rafael Lamastra Jr. é diretor-presidente da Compagas e presidente do Conselho de Administração da Abegás.

 

 

 

Compartilhar