sobre_gn_1.png

Notícias

Agenda anual de trabalho que discutirá assuntos em prol do setor foi definida nesta sexta (28), em Foz do Iguaçu (PR); em abril, presidência estará a cargo do Paraná

 

Os estados Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul oficializaram nesta sexta-feira (28), em Foz do Iguaçu (PR), a criação do Fórum Permanente do Gás no CODESUL (Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul). A medida definiu a criação de uma agenda anual de trabalho, que articule ações em prol do setor em diversas áreas, envolvendo as distribuidoras da região - Compagas (Companhia Paranaense de Gás), Sulgás (Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul), SCGÁS (Companhia de Gás de Santa Catarina) e MSGÁS (Companhia de Gás do Mato Grosso do Sul). Juntas, as quatro concessionárias são responsáveis pela distribuição de mais de 6 milhões de m³/dia de gás natural canalizado.

 

Agenda anual de trabalho terá como objetivo discutir assuntos em prol do setor e será oficializada no dia 28 de fevereiro, em Foz do Iguaçu (PR); em abril, presidência estará a cargo do Paraná

 

Responsáveis pela distribuição de mais de 6 milhões de m³/dia de gás natural canalizado, quatro estados da federação – Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul – anunciam a criação do Fórum Permanente do Gás no CODESUL (Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul). A medida tem como objetivo a criação de uma agenda anual de trabalho, que será oficializada no dia 28 de fevereiro, durante uma reunião em Foz do Iguaçu (PR), envolvendo as respectivas distribuidoras do setor -  Compagas (Companhia Paranaense de Gás), Sulgás (Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul), SCGÁS (Companhia de Gás de Santa Catarina) e MSGÁS (Companhia de Gás do Mato Grosso do Sul).

 

 

O governador do Estado do Paraná Ratinho Junior se reuniu com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, na última quinta-feira (30), na sede da estatal no Rio de Janeiro, para discutir os impactos das alterações de estrutura da Petrobras no Paraná, dentre elas o fechamento da fábrica de fertilizantes Araucária Nitrogenados (Ansa), em Araucária. O presidente da Copel, Daniel Slaviero, e o diretor-presidente da Companhia Paranaense de Gás (Compagas), Rafael Lamastra, acompanharam o governador no encontro, que teve o objetivo de buscar alternativas para o encerramento das atividades da Ansa, que provocará impactos importantes na economia do Estado, principalmente em relação ao número de postos de trabalho, recolhimento de impostos e nas empresas que atendem a Ansa — como na Compagas, que fornece gás natural à unidade.

 

Também participaram da reunião a diretora executiva de Refino e Gás Natural da Petrobras, Anelise Quintão Lara, o diretor executivo de Relacionamento Institucional da Petrobras, Roberto Furian Ardenghy; além do secretário do Desenvolvimento Sustentável e Turismo do Paraná, Marcio Nunes, a Procuradora Geral do Estado do Paraná, Leticia Ferreira da Silva, e o deputado federal Toninho Wandscheer.

Visita Técnica nas Bases Operacionais (Garagens) da Cidade de Curitiba

  

A Compagas, buscando desenvolver novos mercados de aplicação do Gás Natural, está realizando um estudo completo para o setor de transporte público sobre os impactos financeiros com a inserção do Gás Natural como fonte de transição de combustível de baixa emissão de poluentes para Curitiba e Região Metropolitana.

Uma das etapas deste estudo é avaliar a operação de abastecimento e seus respectivos custos.

Considerando que as bases (garagens ou pontos de abastecimento) possuem dimensões, tamanhos e operações diferentes, gostaríamos de convidá-los para uma visita técnica coletiva com participação de outras empresas de compressores, sob coordenação da Compagas.

Motoristas também ganham em maior rendimento e economia no abastecimento

 

Os veículos movidos com combustíveis alternativos tem se tornado cada vez mais comuns e o Gás Natural Veicular (GNV) é destaque quando o quesito é economia. Com 2020 se aproximando, no mês de janeiro é hora de pagar diversos impostos, inclusive o IPVA, e a conversão de veículos para o GNV é uma ótima oportunidade para ter desconto no imposto. No Paraná, a alíquota para usuários do GNV é de 1%, enquanto que para os veículos movidos a gasolina e/ou etanol é de 3,5%. “O desconto no IPVA é uma das principais vantagens para quem utiliza o GNV. Cabe destacar ainda o maior rendimento e a economia no abastecimento que atualmente pode chegar a 40%”, destaca o gerente comercial, Mauro Melara.

Compartilhar

Utilizamos cookies para melhorar o desempenho do nosso site e oferecer uma experiência de navegação mais personalizada. Se você continuar a navegar neste site ou fechar esta mensagem sem modificar as definições do seu navegador, os cookies continuarão ativos. Saiba mais sobre cookies e como alterar as configurações do seu computador, acessando nosso Termo de Privacidade.